ENCONTROS ETNOGENÉTICOS: DA DIVERSIDADE GENÉTICA DOS CHIMPANZÉS DO SUL DA GUINÉ-BISSAU À SUA PERCEPÇÃO CULTURAL LOCAL

Um dos desafios da preservação da biodiversidade, particularmente no seu nível mais primário- os genes- requere que a diversidade genética de espécies ameaçadas seja caracterizada do ponto de vista da sua estrutura e repartição para que possam ser delineados com eficácia planos de mitigação e salvaguarda. A partir desta máxima da genética da conservação e tendo os chimpanzés (Pan troglodytes verus) do Parque Nacional de Cantanhez do sul da Guiné-Bissau como leitmotiv traçarei um roteiro etnográfico assente num estudo empírico conduzido entre 2007 e 2019 que visa demonstrar como é que a história das linhagens dos chimpanzés se entrecruza com a guerra colonial/libertação no espaço e com os mitos fundadores dos Nalu no tempo criando assim uma realidade complexa onde humanos e não humanos se conectam e transpõem os seus limites teleológicos. Recorrendo metodologicamente a uma abordagem biocultural (i.e. genética e antropológica) explora-se a história ambiental da paisagem onde humanos e chimpanzés ainda coexistem, discutem-se as suas implicações futuras em termos de conservação e reforçam-se pontes epistemológicas. Conclui-se que os saberes tradicionais locais podem e devem ser incorporados em planos de gestão ambiental já que podem ser concomitantemente não só um ponto de partida, mas também um ponto de chegada.


Video



Comentarios

Inicie Sesión aquí para comentar